Pai e Madrastra

fevereiro 11, 2015


Ao descobri que estava grávida do Lucca, nunca me passou pela cabeça em reatar com o pai do Lucca, até por que nunca tivemos nada sério e também não me passava pela cabeça que algum dia deveria ter contato com uma madrasta para o Lucca.

Quando isso foi necessário, foi desagradável, ainda estava em conflito com o pai do Lucca quanto as visitas, sumiços dele e tudo mais. Ele a levou a minha casa, sem avisar e eu e minha família ficamos muito incomodados, pois para mim e nem para o Lucca, ela significava algo e não era necessário frequentar a minha casa e visitar meu filho. Por esse episódio pedi que não levasse junto à namorada a minha casa, pois ele deveria ir lá para interagir com o filho dele e eu apenas o recebia para que meu filho tivesse contato com o pai.

Esse foi o motivo do sumiço dele.

Por mais que o pai do Lucca tenha ficado muito tempo sem ver o filho, eu em momento algum falei mal, ou disse algo a respeito dele perto do Lucca, ou para o Lucca, pois tudo que estava acontecendo não era culpa dele, ele não tinha culpa de que o pai infelizmente não queira vê-lo.

Passados quase dois anos, ele entrou com o processo de regularização da guarda e meu medo ficou evidente desse contato, pois eram pessoas que não sabiam nada da rotina, quais desenhos preferidos, que comida mais gostava, como se faz para acalmá-lo, enfim, trabalhei em mim para que esse momento fosse tranquilo, pois para o meu filho era importante esse momento, por mais que ele não compreendesse o que estava acontecendo, nossos filhos sentem qualquer sentimento que passamos perto deles.
Aos poucos fui conhecendo e conversando bastante com a madrasta e percebi que realmente ela era uma boa pessoa e que gostava do meu filho de verdade, o que era o meu maior medo.

Tivemos um episódio de discussão, ela desabafou tudo queria, falou coisas desnecessárias, do tipo, nunca imaginei que teria que conviver com ex-namorada, o que pra mim não levo dessa forma, não consigo ver o pai do Lucca como um ex, mas apenas como pai do Lucca, pode parecer besteira, mas é dessa forma que vejo.

Desta discussão, deixei que ela falasse tudo que queria, mas logo tratei de falar o que era necessário, pois por mais que eu queria ter um bom relacionamento com a madrastra do Lucca, ela deve saber tudo que passei até aquele dia.

Hoje ela tem o Lucca como um filho e fico feliz por isso, pois sei que dessa forma, não faria nenhum mal para ele, mas de contra ponto, tenho ciúmes, pois ver alguém exercendo o mesmo amor que eu sinto por ele e em partes ocupando o papel de mãe a cada 15 dias machuca.

Meu medo do cuidado, do carinho, brincadeiras, sejam como meu filho gosta sempre irão existir, pois uma mãe, nunca consegue ter 100% confiança em alguém que não convive com seu filho como você.

Disso tudo, o que mais me ajudou para que hoje tenha essa, posso dizer, ótimo convívio, se deve ao quanto trabalhei em mim para que isso acontecesse. Ouvi e ainda ouço pessoas dizendo: ah, mas ele ficou 2 anos e agora quer sempre ver o filho. Sim, ok, ficou todo esse tempo sem ver o filho, mas agora Lucca sabe que tem um pai e muitas vezes chama por ele.

Nós mães, temos que ser eternamente gratas aos pais dos nossos filhos, eles nos deram os nossos maiores tesouros, a razão das nossas vidas e isso ninguém nunca irá tirar de nós.

Minha relação com o Lucca mudou muito desde que ele começou a frequentar a casa do pai, hoje aproveito muito mais o tempo que tenho com ele, brincamos muito mais e nos unimos mais.

Hoje carrego em mim muito mais alegria por tudo isso ter acontecido, foi complicado não ter o apoio durante muito tempo, mas quando veio, veio na hora certa e está sendo como deveria ser.

Por isso acredito cada dia mais que Deus escreve certo por linhas tortas, nos mostrando que devemos ter paciência para que a felicidade chegue.

Estou dando apenas o meu relato sobre a minha relação com o pai e a madrastra do Lucca, tudo com muita sinceridade, pois sei que é um grande dilema para muitas mães. Que seja útil para vocês o meu relato!

You Might Also Like

2 comentários