Fimose

maio 28, 2015


Hoje a fofoca aqui interessa a grande parte das mamães de menino, fimose. Acredito que a maioria sabe o que é, mas como funciona realmente, quais casos que precisam cirurgia, como cuidar, enfim, sempre há uma dúvida e vou explicar tudo direitinho.




Mas antes de tudo quero contar pra vocês como descobri que o Lucca tinha fimose.

Quando bebê, Lucca chorava muito e sem motivos e por isso suspeitávamos que ele tivesse hérnia inguinal, mas como as crises de choro desapareceram, a suspeita foi descartada. Até que um dia, na hora do banho, notei que um dos testículos dele estava muito inchado e ai sim, foi constatada a hérnia. 

Esse pediatra nunca comentou nada quanto a fimose, sempre que eu questionava, ele dizia que iria descer naturalmente, então nunca foi minha preocupação.

Em consulta com o cirurgião pediatra para marcar a cirurgia da hérnia, o médico disse que poderíamos fazer a fimose, pois ele já estava na idade que deveria já ter dado sinais de que desceria naturalmente, mas a passagem ainda era muito fechada.

Questionei muito quanto a recuperação, se era seguro e tudo mais – coisas de mãe - e confiei muito no médico e decidimos fazer tudo em apenas uma cirurgia.

A cirurgia estava marcada para o dia 10 de dezembro e infelizmente 2 dias antes meu pai faleceu. Pensei em desmarcar, pois não tinha condições de entrar em um bloco cirúrgico mais uma vez, mas minha família e meu namorado me apoiaram muito, sabíamos que poderia ser perigoso para ele esperar mais algum tempo para fazer e então busquei muito a Deus que me dessas forças para aquele momento.

Foi tudo muito tranquilo, ele tomou um sedativo antes da anestesia, ficou alguns minutos em slowmotion – ri muito – e depois levaram ele para o bloco e fiquei esperando por aproximadamente 40 minutos - sim, eles entram sozinhos – e depois me passaram com ele no colo me chamando para ir até o quarto de recuperação.

Na recuperação ele acordou bem e depois de um tempo já estava pulando na cama e eu ganhando um siricutico, com medo que os pontos arrebentassem e pouco depois já estávamos liberados.

A recuperação em casa foi muito mais tranquila que a do dreno, ele reclamava muito pouco na hora de urinar e de passar pomada, mas em dois dias já estava brincando normalmente.

Hoje, passado quase 6 meses, ainda tenho que ter todo o cuidado para limpar, puxar a pele para baixo, para que não fique nenhuma sujeira dentro do pênis, pois logo ele passa a inflamar e doer.

No banho peço que ele puxe a ponta do pênis e assim consigo lavar com bastante água e sabonete, tirando todos os germes da urina e fezes. Após o banho, peço novamente que ele puxe o pênis e passo uma haste flexível para que fique seco e, além disso, algumas vezes ainda seco com secador de cabelo para que fique seco, sem nenhuma sujeira.

Foi muito mais simples que pensei e preferi fazer cedo, pois ainda é mais fácil de controlar que fiquem quietos, para que não tenha nenhuma complicação.

Então é isso, agora vamos para o papo sério!

- O que é fimose?

Em 90% dos meninos nascem com uma pele, o prepúcio, grudado a glande, a cabeça do pênis, mas isso não significa que provoque a obstrução do fluxo urinário e grande maioria, por volta de 1 ano e meio, essa pele começa a se abrir.

A fimose propriamente dita é diagnosticada quando há uma espécie de anel apertando essa extremidade o que impede que o prepúcio seja recolhido. Além disso, pode-se observar uma secreção esbranquiçada, chamado de esmega, que possui mau cheiro e é formado por bactérias e fungos. Esse quadro pode começar a apresentar dificuldades de urinar, inflamações no pênis, infecções urinárias e parafimose, que é quando o prepúcio não retorna sua posição normal, causando inchaço e dor.

Atualmente não existem estudos que comprovem que a fimose tenha alguma relação genética.

- Quando sei que é preciso cirurgia?

Geralmente, por volta dos 3 anos, o prepúcio se solta naturalmente, resultando assim, apenas 10% dos meninos ainda têm a pele grudada e por isso motivo que a cirurgia não é recomendada antes dessa faixa etária.




Existem casos que são recomendados uma cirurgia precoce, o que é chamado por especialistas de postites frequentes, que são infecções da pele que cobre o pênis. Também é indicado para parafimoses, onde após muito esforço, a glande é exteriorizada que não volta para a posição normal causando inchaço e dor.

Além desses, operações precoces também são feitas quando a pele do orifício por onde sai o xixi é muito estreita, causando muita dor na hora da micção, mas isso é muito raro.

- Recuperação e cuidados

A cicatrização é geralmente rápida, onde em cerca de 10 dias, todos os pontos já caíram e o inchaço desapareceu. A partir daí, o menino já pode voltar as atividades normais. Desde que algumas atividades que podem acarretar em lesões ainda sejam evitadas, como por exemplo, andar de bicicleta.

Após a cirurgia é necessário passar uma pomada cicatrizante e não aderente para conter o inchaço e em alguns casos, o médico pode recomendar o uso de analgésicos via oral.

Ao urinar depois da cirurgia, a criança pode sentir um leve desconforto, pois a ponta do pênis sem a pele sobre ela fica mais exposta e assim mais sensível, algo normal e que varia de acordo com cada menino.

- Massagens de deslocamento e pomadas, são corretos?

Muito se fala nas massagens no banho, cremes ou pomadas que “ajudam” o prepúcio a se deslocar, mas isso deve ser feito apenas com orientação médica, pois as massagens servem exclusivamente para casos onde o prepúcio fica grudado a glande. Exercícios exagerados deixam a pele mais flácida, que após cicatrizar, acaba se tornando menos elástica, estreitantdo ainda mais o anel, resumindo, o que não era fimose, vira fimose.

Existem também as chamadas “dermatites de fraldas” que podem causar assaduras e consequentemente, um possível encolhimento de pele, o que dificulta a exposição da glande. Essas dermatites, são irritações ou alergias provocadas pelo contato de fezes e urina com a pele e para preveni-las, basta apenas que o bebê não passe muito tempo com a fralda e após a higienização seja utilizado pomadas para proteger a pele da criança.

- Quais os riscos da fimose?

A fimose está associada a DST (doenças sexualmente transmissíveis) e por isso é considerada também um grande fator de risco para surgimento de câncer de pênis, principalmente por causa da falta de higiene, dificultada pelo acúmulo de pele e pela presença de secreção.

Também ligada à fimose, a infecção urinária, é causada por germes que penetram pela uretra e chegam até a bexiga, podendo se deslocar para os rins, causando uma infecção ainda mais séria. Entre as crianças ela pode ser ainda mais comum por causa do uso das fraldas, por isso é sempre muito importante trocar com frequência para prevenir à contaminação por germes e bactérias presentes nas fezes e urina.

- Higiene

A higiene íntima masculina deve ser feita com muito cuidado e atenção, com água e sabonete neutro, para que assim o pênis fique livre de infecções. É fundamental que essa limpeza seja feita desde pequeno.

- Recomendações

* Não force a pele da glande, nem faça massagens para aumentar a abertura do prepúcio. Isso pode provocar microtraumatismos e, posteriormente, cicatrizes que reduzem o diâmetro do anel prepucial;

* Procure realizar a higiene do pênis com atenção e cuidado;

* Trate as assaduras na glande e no prepúcio para evitar infecções e cicatrizes;

* Leve seu filho ao médico, ao primeiro sinal de inflamação ou infecção na cabeça do pênis e/ou na pele que a recobre;

* Não adie a realização da cirurgia de fimose. Aceite-a com naturalidade e procure tranquilizar seu filho caso ela lhe seja indicada.

Pipooow, se ainda ficou alguma dúvida, podem me mandar às dúvidas que vou responder todas elas! Espero ter esclarecido boa parte delas!

You Might Also Like

0 comentários