Vida amorosa pós materinidade - Parte I

junho 08, 2015




Oi pipooow, tudo bom com vocês?!

Semana de dia dos namorados e por isso resolvi falar de sobre relacionamentos de mães solteiras ou mães que se divorciaram e recomeçaram mais uma vez, pois sei que muitas ficam em dúvida de como conseguir se sentir mulher após a maternidade!

Vou dar o meu relato de como funcionou o caminho até o meu namoro, preconceitos os quais me deparei decisões que tomei antes de namorar, como inclui meu filho no meu relacionamento, enfim, vou compartilhar tudo! Além do meu relato, vou trazer também relatos de outras mães que conseguiram abrir seu coração novamente e se deram uma nova chance! E mais ainda, vou trazer dicas de como agir com toda essa nova vida, pois sim, depois que você se torna mãe, sua vida muda completamente!

Então vamos lá!

Antes de tudo, você deve se amar, sim, pois só assim você vai conseguir seguir em frente, mesmo que você tenha se divorciado ou tenha seguido solteira mesmo depois da maternidade.

Claro que não é fácil, temos um processo longo até que a gente aceite a nossa “nova” vida, não vamos mais ter tanto tempo para nos cuidar, fazer o que gostamos e tudo mais, enfim, comece com pequenos cuidados, um banho mais demorado, uma maquiagem rápida – mesmo que o filho esteja puxando a sua perna para brincar - um shampoo novo para hidratar seu cabelo, enfim, qualquer coisa, o tempo é curto quando se é mãe, o cansaço aparece muito mais, mas quando você passar a se cuidar um pouco mais, vai ver o quanto mais fácil tudo se torna quando estamos felizes.



Você ainda é apaixonada pelo pai do seu filho ou foi uma relação difícil, conturbada, ele não foi um bom tipo de homem, enfim, existem inúmeros motivos para que você não queira mais ver nenhum outro homem na sua frente, mas vamos a um ponto, que eu sempre deixo muito claro. Esse homem o quando você está magoada, ficou traumatizada e tudo mais, ele é o pai do seu filho (a), então agradeça a Deus todos os dias por isso.

Outra coisa muito importante, não generalize.

Pipow, eu já sofri muito por amor, sim. Quem me conhece sabe disso e nem por isso eu pensei que nunca mais ia encontrar alguém. Eu me permiti a isso e hoje sou muito mais feliz por isso. Você vai se deparar com muitos homens que não vão aceitar que você seja mãe, mesmo que você fale isso de forma natural. Acredite, preconceito você vai encontrar, mas existem muitos homens que vão gostar de você pra valer.

Ok, encontrei um homem legal, que me aceita como sou, aceita o pacote completo, mas e ai Fofoca, o que faço?

Bom, primeira coisa é conhecer bem a pessoa que está ao seu lado. Nada de já sair apresentando seu filho para alguém com quem você mal conhece, pois mesmo que o cara diga que aceita, a realidade é muito diferente.



No meu caso, desde antes de querer ter alguém ao meu lado, já havia deixado claro para mim mesma, que ninguém que estivesse ao meu lado, seria um “pai” para o Lucca, isso até mesmo quando o pai do Lucca não era presente. Mas, oh, isso é no meu caso, pois eu tenho amigas que deixaram essa abertura para os namorados e eles hoje são uma família linda e feliz.

Em casos de separação, não estranhe se, mesmo agindo com bom senso e respeito em relação à criança, o seu filho tiver ciúme. É natural que a criança reaja assim, desde que no limite do aceitável, não atrapalhando o relacionamento. A solução, nesses casos, é conversar e mostrar, na prática, que ela continua amada da mesma maneira.

Diálogo, paciência e respeito são os ingredientes mais importantes para que a criança se adapte à nova situação.



Reuni boas dicas para que seja mais fácil essa interação:

- Conversar com o filho de forma transparente, sem mentiras ou omissões.

- Mostrar a ele que está por perto para apoiá-lo sempre. Vale lembrar que é normal a criança, no início, se sentir triste pelo pai ter encontrado uma nova pessoa.

- Apoiar a decisão do pai, dizendo que o importante é que o casal seja feliz, mesmo não estando mais junto.

- Falar mal do pai para o filho. A criança, principalmente a pequena, não enxerga o lado negativo dos pais, que têm extrema importância em sua formação. Tentar quebrar isso pode causar uma visão deturpada e prejudicar a criança para o resto da vida. Ela deverá tirar suas conclusões por conta própria, através da convivência que tiver ao longo dos anos com o pai.

- Fazer a criança de leva e traz para saber o que está acontecendo na casa do pai.

- Mandar recados para o pai através da criança. Os adultos devem continuar mantendo contato para tratar dos assuntos relacionados às crianças. Filho é para sempre!

- Quando chegar a hora da convivência, procurar fazer programas de interesse da criança junto com o namorado.

- Fazer eventualmente programas só com a criança, para que ela se sinta à vontade para falar o que sente.

- Deixar sempre claro que o namorado não veio para substituir o pai.

Agora algumas dicas para o seu parceiro:

- A situação já é delicada. Peça para ele não querer chamar mais a atenção do que a criança quando os três estiverem juntos.

- Explique que não adianta ele tentar ser o melhor amigo do seu filho logo no primeiro encontro. É preciso tempo para conquistar a confiança dele.

- Peça para ele tentar não tomar partido quando você der bronca.

- Deixe claro que você não vai admitir que ele faça críticas ao pai da criança na frente dela.

- Ele deve compreender sua relação com o ex, pois o espaço de pai e mãe deve sempre ser mantido.

- Evitem brigas de casal na frente do seu filho

Bom, hoje dei mais um resumão sobre o básico que podem ajudar vocês!

Eu consegui conciliar a minha vida de mãe, mulher, dona de casa, namorada, amiga, enfim, se eu consegui, você também vai!

Ao longo da semana vamos falando mais sobre esse assunto, ok?

Até o próximo post, amo vocês!

You Might Also Like

0 comentários