Acidentes domésticos

julho 31, 2015


Toda mãe e pai é mega preocupado com a segurança dos nossos filhos, só que na hora em que ele acontecem, nem sempre sabemos o que fazer e é por isso que separei algumas dicas do que fazer nessas horas.

Os acidentes domésticos com crianças podem ser considerados um problema de saúde pública, por causa das elevadas taxas de ocorrências e as consequências que elas provocam. 

Segundo o Ministério da Saúde, eventos trágicos ocorridos dentro de casa como asfixia por alimentos, exposição à fumaça e quedas, são as principais causas de morte de crianças até os 9 anos de idade no Brasil.

Caso um acidente doméstico aconteça, procure o hospital mais próximo, pois qualquer acidente pode trazer riscos para os nossos pequenos, trazendo até lesões e sequelas irreversíveis.


A fase de vida que se inicia no nascimento e vai até os seis anos de idade - chamada a primeira infância - é a que necessita de maior cuidado e atenção de nós mães e pais, pois é nesse período em que estão mais vulneráveis aos afogamentos, envenenamentos, queimaduras, quedas e atropelamentos, pois é nessa faixa etária em que nossos filhos estão descobrindo o mundo e até a nossa casa pode se tornar uma área de risco.

E como todo mundo diz, com crianças, qualquer cuidado é pouco, então vamos a prevenção em alguns casos.






Normalmente, as queimaduras ocorrem ao lado do fogão, quando as crianças derrubam panelas, por isso sempre deve-se evitar o cabo da panela para fora do fogão, brincadeiras com álcool e fogo e também o uso de fogos de artifícios.




















Para bebês e crianças pequenas, até baldes, banheiras e vasos sanitários podem oferecer riscos. Um adulto sempre deve supervisionar as crianças, mesmo que saibam nadar ou onde os locais sejam considerados rasos. Sem falar em casas que possuem piscinas, é preciso cercar para evitar que as crianças possam chegar perto. 










Deve-se ter cuidado em não deixar bebês e crianças pequenas sozinhas em cama, bancos perto de janelas, pois com rapidez eles podem se virar e cair. Além disso, antiderrapantes nos tapetes para evitar escorregões. 














Em caso de ingestão de inseticidas, álcool, detergentes e outras substâncias tóxicas, a primeira coisa que se deve fazer é ir para uma emergência, para que os médicos possam identificar qual a substância ingerida e o tratamento adequado para tal situação. 












Na hora de escolher os brinquedos, considere sempre a idade e o nível de habilidade da criança, seguindo as recomendações do fabricante. Procure brinquedos com o selo do Inmetro. Fique atento a brinquedos que podem oferecer risco de engasgamento com peças pequenas, o risco de estrangulamento com correntes, tiaras e cortes e também o risco de corte com pontas e bordas afiadas.



É sempre muito importante que as crianças sejam transportadas de forma correta. Bebês de 0 a 1 devem ser transportados no bebê-conforto, no banco de trás, virados para o vidro traseiro; crianças de 1 a 4 anos, em cadeira especial no banco de trás, viradas para frente; crianças de 4 a 6 anos, devem usar assentos de elevação com o cinto de três pontos e sempre no banco traseiro. Após os sete anos e meio, as crianças, no banco de trás, podem usar apenas o cinto de segurança de três pontos. Por lei, só é permitido sentar no banco da frente a partir dos 10 anos de idade e com cinto de segurança.





Como se trata de um ambiente novo, deve-se redobrar o cuidado com as crianças e como não conhecem o local, não estão adaptadas e o descuido com os objetos pode ser maior e é claro, além de tudo isso, deve-se ter cuidado com fios soltos, tomadas expostas, locais com água e materiais de limpeza ao alcance.

Bom, todo cuidado é pouco com os nossos é muito pouco, não é? Cada segundo de descuido pode causar um grande acidente.

Então, olhos bem abertos com esses pequenos anjinhos!


*Imagens Pinterest

You Might Also Like

0 comentários