Um dia dos pais diferente

agosto 07, 2015

Oi pipooow, tudo bom com vocês?

Dia dos pais e queria eu, que esse dia não chegasse...

(meus olhos já estão cheios de lágrimas)

Mas eu decidi contar como foi meus pouco mais de 23 anos que tive um pai, ou melhor, que tive meu herói.



Para causalidade do destino, minha mãe engravidou de mim na mesma idade em que eu engravidei do Lucca, 20 anos e nossos destinos quase tiveram o mesmo caminho, meu pai teve uma "leve surtada" por uns 4 meses, mas depois disso, resolveram ficar juntos para me criar.

Meu pai sempre trabalhou muito e cresci vendo ele trabalhando, mas não para ele não era um trabalho, o que ele fazia era a vida dele, o que ele mais amava, o automobilismo.

Cresci dentro de autódromos, tive uma infância de moleca, que não se importava de estar suja, ou fazendo brincadeiras de meninos.



Eu amava estar nos autódromos, pois assim ficava mais perto do meu pai e disso o nosso vínculo se tornava cada dia mais estreito.

Ele nos proporcionava momentos incríveis, de puro amor e alegria. 

Eu e minha irmã fazíamos dele gato e sapato, pois ele adorava, pouquíssimas vezes não pode estar presentes nas apresentações da escola, aniversários, mas mesmo que ele não pudesse, assim que chegava de viagem, o carinho e as brincadeiras compensavam pela ausência.



Nas nossas férias de verão, passávamos em um camping. Tínhamos um trailer e nossa, quantas memórias incríveis tenho de lá. Meu pai sempre agitando as brincadeiras: "escorrega-bunda", guerra de bexigas, futebol na chuva, enfim, era sempre foi um grande parceiro nessas loucuras.

Eu tive uma pré-adolescência bem rebelde, nunca ouvia meus pais (medo do Lucca ser igual) e que paciência que meu pai tinha comigo, espero poder ter a mesma quando chegar a minha vez. Lembro dessa época ele levando e buscando eu e minhas amigas em festinhas, claro, ele de pijama, por que pai que busca filhos em baladas, vai de pijama (risos!).

Ao descobrir a minha gravidez, como vocês sabem, eu iria abortar, pois achava que seria o maior desgosto para meu pai, estavamos em uma situação horrível, como iriamos cuidar de uma criança? Até que as vésperas em que estava programado para dar início ao processo, meus pais descobriram minha gravidez. 

Lembro até hoje, eu trabalhava em uma clínica médica, onde tinha janelas enormes com vista para a rua e vi meu pai passando, de cabeça baixa, completamente desapontado comigo. Meu coração estava em pedaços.

Ao sentar para conversar com meus pais, ele nem me olhava nos olhos, dizia que eu era a parceira dele e que quebrei a confiança dele. Foi a pior coisa que ouvi dele.

O primeiro presente que ganhei para o Lucca foi dele, hoje guardo com muito carinho esse brinquedo, um símbolo de muito amor!

O tempo foi passando, minha barriga crescendo e meu pai cada vez mais bobo. A descoberta que seria um menino, foi um dos auges da minha gestação. Lembro de ligar para ele e ele chorando feliz que finalmente teria um menino em sua família.



Quando meu pai chegava em casa do trabalho, ele logo vinha falar com a minha barriga, ele dizia: "Oi Lucca, o vô doidão chegou!" e Lucca dava pulos de alegria.

(pausa, para respirar um pouco!)

Assim que Lucca nasceu, meu pai estava todo babão e ao visitar ele, disse a mesma frase, que dizia durante a minha gestação e para nossa surpresa, Lucca sorriu! 


Meu pai foi um vô muito bobo, sempre muito participativo, brincalhão e muito orgulhoso em poder ter um menino para chamar de seu.

Era carrinho de madeira, brincadeiras de bola, momentos que só um vô pode proporcionar para um neto!






No período em que o pai do Lucca foi ausente, meu filho teve o prazer em ter o melhor pai do mundo, o meu pai. E não há dinheiro no mundo que possa me tirar essa emoção de ter proporcionado isso para meu filho.

E hoje, vendo como tudo aconteceu, vejo o quanto Deus estava nos preparando para a partida do meu pai.

Nos trouxe Lucca, a compra do meu apartamento, a volta do pai do Lucca e a divisão da guarda, uma bolsa integral em uma escola particular para o Lucca, enfim, vários outros fatores me fazem ver hoje, que Ele estava nos preparando para a partida do meu pai.

Deixou nossa família com um pouco de tranquilidade, para que ele pudesse partir.



Quem teve o prazer de conhecer meu pai, vai concordar com tudo que vou falar agora e com certeza sabe o quanto precisávamos de pessoas assim no mundo.

(pausa)

Meu pai era um herói, mas não por que ele era meu pai, mas por que ele era uma pessoa completamente pura de coração. Um homem integro, que amava mais que tudo a profissão que escolheu. Meu pai vivia para vencer as corridas, mas além de tudo ele sabia perder e reconhecer quem venceu, aprendi isso com ele!

Meu pai era um cara alegre, sempre de bem com a vida, vivia sorrindo por onde passava. Sua simplicidade e humildade sempre foram sua grande marca e hoje é lembrado por isso.

Um cara que não teve oportunidade de estudar, cresceu na roça e logo teve que deixar os estudos para ajudar meus avós. Mas ele era muito inteligente, quando se tratava de competitividade, velocidade, ele era o cara.

(pausa)

Por ter o mesmo sangue que ele, nas minhas veias corria combustível, pois ele me ensinou a amar o automobilismo e isso nos uniu por muitos anos.

Meu pai poderia ter sido muito famoso pelo seu trabalho, ter ganhado muita grana, mas abriu mão disso, pois saberia que teria que abrir mão da família para isso. 

Esse último ano dele, por casualidade do destino, ele passou a viajar o Brasil, mostrando para esse país o seu trabalho e nossa, como ele estava feliz!

O dia dos pais no ano passado, ele estava em uma viagem de trabalho, mas não ficamos tristes, pois sabíamos que ele estava fazendo o que amava e pra nós isso bastava.


Poucos dias antes do meu pai partir, fizemos um passeio para que Lucca conhecesse o Papai Noel em Gramado, seria esse o nosso último passeio com ele, pois nós não sabíamos que meu pai estava muito doente.




Não é fácil perder alguém que sempre foi TUDO para você, alguém que era uma inspiração de vida e que te ensinava as coisas de uma forma tão simples e tão cheia de amor!

Pai, eu sei que você está bem aí em cima, mas é díficil seguir os dias em teu sorriso!

Ontem se completou, 8 meses da sua partida e todos os dias eu luto para conseguir seguir sem o teu amor!

É estranho falar isso, nunca me imaginei nessa situação, mas assim que teve que ser, Deus te quis mais perto dele, pois tu era iluminado demais, evoluído demais para permanecer na Terra e precisou seguir para um lugar muito melhor que o nosso!

Pai, eu te amo e sempre vou te amar!

Obrigada por ter sido quem foi e por me dado a honra de ser sua filha!

Pai, de onde tu estiver, FELIZ DIA DOS PAIS!


You Might Also Like

0 comentários