fofoca de mãe - a minha história

julho 08, 2016

Quem me acompanha há mais tempo conhece boa parte da minha trajetória, mas muita gente nova chega todos os dias, então hoje resolvi contar mais uma vez a minha história.

O caminho até aqui não foi fácil, mas me tornou a pessoa que sou hoje!


Sou a Pâmela Ghilardi, tenho 25 anos e sou mãe solteira do Lucca, de 3 anos e 9 meses. Foi a partir do momento que descobri (no susto!) que seria mãe, que a minha vida mudou completamente.

Descobrir que seria mãe no auge da juventude não é nada fácil, ainda mais quando não se tem uma relação estável com o pai da criança, nem uma vida estabilizada para poder criar essa criança que está por vir. Nessa hora – pelo menos pra mim – a primeira coisa que me veio à cabeça foi o aborto, e levei essa escolha até o dia em que meus pais descobriram o que estava acontecendo.
Foi aí que TUDO realmente mudou! E não é fácil. As pessoas te olham com cara feia e pensam milhares de coisas de ti, mas nada se compara o que acontece dentro de você. Aceitar que seria mãe, que não poderia mais ir à baladas, viajar sem me preocupar com nada, e que meus objetivos de vida não seriam mais os mesmos, foi complicado. Tive que buscar dentro de mim os motivos para continuar e perceber que eu estava nessa sozinha. Não tinha apoio nenhum da outra parte. Mas eu segui, e que bom que fiz isso!

Ser mãe não é fácil. Sozinha então… (haja pique e paciência). Claro que contei por um tempo com a ajuda da minha família, mas essa tarefa era minha, sou eu quem tem que assumir todas as responsabilidades quanto ao meu filho. Foi aí que embarquei sozinha nessa vida e decidi morar sozinha com meu filho!
Talvez por que sou uma mãe jovem, vejo as coisas de outra maneira, a casa não precisa estar sempre em ordem, meu filho pode dormir sem tomar banho e eu posso sim sair pra balada e beber com as minhas amigas! Posso conhecer o mundo ainda, por que não? Ser mãe jovem só me traz mais vontade de querer viver com mais intensidade todos os momentos (e ter pique também, hehe!) que tenho com meu filho ou então até mesmo quando sozinha.
Tenho apenas 25 anos e não é por ser mãe que não posso correr atrás do que quero pra minha vida. Ainda nem comecei a faculdade, não tenho habilitação, já sofri por amor, comecei e terminei relacionamentos, bebi como se não houvesse amanhã (e teve!) e continuo sendo mãe do Lucca!

Hoje Lucca vai para o pai em finais de semanas alternados e é nesse tempo que eu aproveito para esquecer que sou mãe. Sim, isso mesmo. Não é por que sou mãe que devo me anular como mulher. É isso que vou mostrar pra vocês, pois antes de existir uma mãe, existia uma mulher, e ela não pode se deixar esquecer. Uma mãe, para fazer um filho feliz, precisa estar de bem com ela. Só assim conseguirá fazer tudo com muito mais prazer, e foi a partir desse momento que percebi que tinha que cuidar de mim também. Muita coisa mudou no meu relacionamento com meu filho, nossa cumplicidade ficou ainda maior.

Depois que me tornei mãe, todos os dias são uma novidade. Nenhum dia é mais como o anterior. As mudanças da maternidade me mostraram uma nova forma de ver a vida, uma forma bem mais leve e com muito mais amor.

You Might Also Like

0 comentários