ESTOU MUITO VELHO/A, E AGORA: Ainda dá tempo de se tornar bilíngue?



Você aí que tem mais de 20 anos será que ainda tem chance de se tornar bilíngue? Será que o trem já não passou e agora você só tem a opção de vê-lo passar do lado de fora? 

Nossa, que tristeza não é mesmo? Será que não ter aprendido inglês (ou uma outra língua) enquanto criança é viver eternamente no monolinguismo? 

Calma!



Pra começar vamos jogar a culpa em alguém. Óbvio né? 

Não dá pra carregar esse peso sozinho, então bora culpar seus pais por não terem te criado em um ambiente bilíngue, ou por não terem insistido para que você aprendesse a língua, ou ainda culpa do cupido que deixou você fora do ar nas aulas do curso.

OK, já culpamos alguém, mas a tristeza de ainda ser monolíngue não abandonou você e no fundo você quer sim, ser bilíngue. Mas será que ainda dá tempo? 

Antes de mais nada é preciso lembrar o que é ser bilíngue, certo?


Eu falei um pouco sobre o que significa ser bilíngue nesse post aqui, mas para relembrar... ser bilíngue não é saber falar perfeitamente as duas línguas, não é falar sem sotaque e não é saber ler, escrever, ouvir e falar nas duas línguas “como um nativo”. É um pouco mais complicado (meus alunos que o digam) mas também é muito, MUITO mais acolhedor do que se imagina. 


Como eu já contei para vocês, clique aqui para conferir, meu primeiro contato com o inglês foi na 4a série lá nos anos 90 (sim, eu sei tô velha).

Naquela época, sem TV a cabo, sem internet, sem Netflix (ai Jesus, tô deprimida só de lembrar) eu não tinha nem ideia do que inglês era ou para o que servia. Na 4a série, a teacher foi muito querida e só deu trabalhos em grupo. Tive MUITA sorte porque a minha melhor amiga era fera e me salvou. Porém, na 5a série minha vida mudou quando eu descobri que tinha que me virar sozinha. Foi então, que a minha mãe decidiu me matricular em uma escola de idiomas. 

Aos 13 anos descobri a minha paixão. Não posso dizer que foi amor à primeira vista porque eu tinha visto no ano anterior (mas assim, não me chamou muita atenção, hehehe).

Bom, me apaixonei perdidamente, devorava o que via pela frente na língua, fiz assinatura da revista Seventeen (tipo capricho) e depois com a chegada da TV a cabo assisti Friends de trás pra frente e de frente pra trás zilhões de vezes. Sim, me joguei mesmo nesse amor e o investimento valeu a pena. Com 18 anos virei teacher e é isso eu faço até hoje. 


Esse resumo da minha história é para mostrar que, para os padrões atuais, eu não comecei tão cedo, mas mesmo assim me tornei falante competente na língua e bilíngue. Minha irmã começou quando tinha uns 7 anos, eu já dei aula para crianças de apenas 3 anos e meu filho começou ainda na minha barriga. Ou seja, perto desses casos eu comecei tarde. Na universidade eu tenho alunos que começaram depois dos 20 e dos 30 e estão lá, dando aulas de inglês ou se dedicando para se tornarem professores.

Nem sempre começar cedo, ou quando criança é a melhor opção, assunto sério para um próximo post. Porém, se você começou mais tarde como eu, ou mais tarde ainda, quando adulto, não se preocupe. Aprender uma língua é algo constante. Muito mais do que a idade de início, a vontade e o amor pela língua é que faz toda a diferença.